“O tamanho importa” e outros enganos nos que você não deve cair

3 set 20110 Comentários

Estava pensando sobre o artigo de esta semana e várias ideias vinham na minha cabeça, sem muita conexão umas com as outras. Então decidi juntar algumas num mesmo artigo sobre alguns dos erros que cometemos ao empreender. Não estão todos os que são mas são todos os que estão:

Erro 1. Pensar que maior é melhor

Geralmente temos a tendência a achar que quanto maior nossa empresa menor será o risco dela quebrar. A consequencia direta de pensar assim é que você vai querer fazer sua empresa crescer o mais rápido possivel: vai procurar investimento externo, contratar um monte de funcionários e ainda achar que isso é bom. Acontece que se você fizer isto vai estar pondo em risco o futuro da sua empresa. Max Marmer, aluno da universidade de Stanford, na California, está fazendo uma pesquisa para tentar explicar porque umas startups tem sucesso e outras não. E segundo o estudo parece que um dos principais motivos do fracasso é o crescimento prematuro, tanto da equipe quanto do capital investido. Quando a empresa cresce os gastos se multiplicam, a comunicação se faz mais difícil e, o que provavelmente é o pior, você chama a atenção! E quando você chama a atenção vai ser para ser admirado ou para ser temido: no primeiro caso vão querer comprar a sua empresa (e depois mandar você embora) e no segundo caso vão querer destrui-la. Se você não tem estrutura para se proteger disto não deveria crescer!

Erro 2. Não sentar e planejar seus objetivos

Não estou falando, como veremos depois, de grandes planejamentos detalhados para os próximos dez anos. Estou falando de conversar e escrever aonde queremos chegar e especialmente, como o Jerry Kaplan diz, qual é a nossa medida do sucesso. Como poderemos dizer que a nossa empresa é um sucesso? É importante ser bem claro ao respeito dos nossos objetivos e metas pois caso contrario poderemos estar caminhando para um lugar ao qual não queremos chegar.

Erro 3. Não caminhar para a independência financeira

Muitos empreendedores acham que têm um negócio, quando na realidade o que eles têm é um emprego. Sem chefe, mais tão escravo ou mais do que trabalhar para outra pessoa, porque a final das contas trabalham para eles mesmos. Para saber se você tem um negócio ou um emprego faça a sim mesmo a seguinte pergunta: se eu me ausentar durante seis meses, o negócio continuará faturando? Se a resposta é sim, parabéns, você está no caminho certo. Se a resposta é do tipo “não posso me ausentar nem uma semana!”, você deveria começar a repensar sua situação: guarde dinheiro e faça um plano de investimentos que lhe permitam parar de trabalhar e ter receitas frequentes sem sua intervenção. Caso contrário você nunca vai ser financeiramente independente e ter tempo real para curtir tudo que a vida tem de bom!

Erro 4. Contratar quem você gosta e não quem você precisa

Em uma ocasião, quando trabalhava como estagiário para a HC Energia, pedí para o Miguel, o dono de uma empresa que fornecia serviços de instalação para a HC, algum conselho para criar a minha empresa. Me falou que já tinha aberto mais de 8 empresas e o melhor conselho que poderia me dar era: “não abra uma empresa com um amigo porque ficará sem empresa e sem amigo”. Uma grande tendência dos empreendedores é contratar e trabalhar com amigos, familiares, pessoas das quais gostam pessoalmente em lugar de pensar nas capacidades profissionais da pessoa. Você está abrindo uma empresa, não um clube social. Não digo que seja impossível, mais as relações de trabalho são diferentes das relações de amizade: têm que ficar muito claras as responsabilidades de cada um, e tem que existir uma enorme liberdade e abertura para dar e receber feedback. Você precisa de pessoas que pensem diferente de você e que tenham habilidades diferentes das suas. Um caso habitual é o de três amigos informáticos que abrem uma empresa de programação: esqueça, não vai dar certo, simplesmente porque ninguém vai estar procurando clientes!

Erro 5. Administrar sua pequena empresa como uma grande empresa

Se você está fazendo ou já fez um MBA provavelmente aprendeu um monte de coisas sobre complexos planos de negócios, planejamentos a cinco ou dez anos, a necessidade de ter um departamento de marketing e/ou vendas, etc. A notícia é que tudo isso tal vez seja útil para uma empresa firme no mercado, com experiência e mil funcionários, mas para uma startup pouco disso serve. Quando você esta abrindo a sua empresa não faz sentido pensar nas vendas que você vai ter daqui a cinco anos. Nem nos próximos dois anos. Tal vez a empresa nem exista daqui a dois anos! Quando você é uma empresa pequena a preocupação deveriam ser as próximas duas semanas. Ou como máximo os próximos dois meses. Quando você é pequeno o planejamento é adivinhação: não importa a decisão que você tome sempre que exista uma. Decida! Não perca tempo em longas analises. Isso pode ser legal para empresas que podem pagar para gerentes ficarem perdendo tempo e dinheiro falando do sexo dos anjos, mais não para você. Isto é assim porque todas as decisões que você vai tomar vão ser temporárias. Nem os nomes das funções deveriam ser os mesmos que numa empresa grande: em lugar, por exemplo, de um diretor de marketing provavelmente faz mas sentido ter um responsável de desenvolvimento de clientes, que é o que você mais vai precisar agora: clientes!

Que outros erros você tem achado ao empreender?

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Junte-se a mais de 1.000 assinantes e receba o melhor conteúdo para investir seu tempo e seu dinheiro

Receba o checklist via e-mail

Receba o checklist via e-mail

Muito obrigado! Você receberá um email de confirmação e depois será redirecionado à página de download.

Share This