Não julgue, senão…

17 nov 20180 Comentários

“Quando a filosofia é exercida com arrogância e teimosamente, é a causa da ruína de muitos. Deixe a filosofia arrancar suas próprias falhas, ao invés de ser uma maneira de criticar as faltas dos outros”.

SÊNECA, CARTAS MORAIS, 103.4b-5a

Quando com 18 anos comecei a faculdade, entrei num ambiente de discussão de ideias diversas sobre economia e política. Eu tinha uma serie de pensamentos que queria defender, mas todos baseados no que ouvia ao meu redor ou assistia na TV, você pode ter uma ideia. A questão é que eu não tinha argumentos para defender o que eu pensava (nem eu nem nenhum de meus colegas) e as discussões giravam em torno a emoções. Foi o desejo de embasar meus argumentos o que me fez começar a ler livros de economia e história. O problema foi que comecei pelo motivo errado: o que realmente queria era achar argumentos que apoiassem o que eu já pensava, com o objetivo de convencer meus colegas. Por sorte, conforme fui lendo mais livros, fui percebendo que algumas das minhas ideias estavam completamente erradas e com o tempo passei de ler para convencer, a ler para entender e aprender.

O que Sêneca está nos dizendo é que devemos utilizar o conhecimento para nos corrigir. Esqueçamos as faltas dos outros. E como Jesus também nos disse, não procuremos a palha no olho alheio, tiremos antes a trave enorme que há no nosso.

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Junte-se a mais de 1.000 assinantes e receba o melhor conteúdo para investir seu tempo e seu dinheiro

Receba o checklist via e-mail

Receba o checklist via e-mail

Muito obrigado! Você receberá um email de confirmação e depois será redirecionado à página de download.

Share This