Fiquei desempregado. E agora?

15 abr 20122 Comentários

Esta semana uma leitora me escreveu um email me contando um problema. Acho que é interessante compartilhar seu caso (sem divulgar seu nome, é claro) pois provavelmente tem mais pessoas numa situação similar. O email dizia básicamente assim:

Fui demitida hoje. Na verdade eu estava insatisfeita desde o primeiro dia de trabalho na empresa. Durante este último ano, tentei de todas as formas ser o que não sou, me adaptando a uma cultura que me agredia profundamente. Eu não conseguia mais disfarçar meu descontentamento e minha falta de motivação. Hoje meu sonho é ter meu próprio negócio. Não quero mais ter chefe. Adoro trabalhar! Eu não sei o que fazer. Fui secretária a vida inteira e agora não sei por onde começar.

O que aconteceu com esta leitora é muito comum. Às vezes nos submetemos a realizar coisas com as que não concordamos por um suposto bem superior.

O caso é que, dando uma olhada na experiência dela, dá para ver que tem muitos conhecimentos, uma boa formação e boas habilidades.

O que eu sugiro para qualquer um nesta situação é, primeiramente, avaliar sua situação e definir um rumo para onde deseja e pode ir. As seguintes perguntas podem ser úteis para isto:

Situação atual

  1. Qual é a minha situação financeira? Tenho dívidas? Quanto dinheiro tenho poupado?
  2. Quanto dinheiro preciso por mês para viver com meu atual estilo de vida?
  3. Com base nisto, quanto tempo tenho de margem antes de precisar de uma renda? (Calcule Dinheiro que você tem dividido pelos seus gastos mensais e aí você obterá o número de meses).
  4. Em que quantidade posso reduzir minhas despesas mensais? Quanto tempo a mais consigo com esta redução?

Respondendo a estas perguntas você vai ter uma ideia clara da margem de manobra que você tem. Agora precisa pensar no QUE você PODE fazer.

Limitações

  1. Tenho marido/esposa ou afins? Tenho filhos que dependam de mim? Tenho outras pessoas que dependam de mim financeiramente ou da minha presença?
  2. Se eu tenho, vão me apoiar nas decisões que eu vou tomar?
  3. Tem alguma coisa que me ate ao lugar onde eu moro?
  4. Tem alguma coisa que me impeça de continuar morando onde eu moro?

Com estas perguntas e outras nas que você possa pensar, vai ter uma ideia das limitações e obrigações que você tem. Agora vamos com o que você quer realmente.

Sonhos

  1. Quais são meus sonhos de infância? O que é que eu sempre quis fazer na vida? E aqui vale qualquer coisa, desde ser professora ou ser mãe até ser astronauta ou estrela de rock. Deixe a imaginação voar. Não tenha medo de sonhar GRANDE! E é proibido pensar coisas do tipo “isto é impossível para mim agora”. Isto a gente vê depois.
  2. O que me faz feliz? O que é que eu realmente gosto de fazer? Quais são as coisas que, quando as estou fazendo, o tempo voa e não quero parar de fazer?
  3. Agora eu tenho 100 anos e vivi uma vida longa: o que eu quero deixar neste mundo? Como gostaria de ser lembrado?
  4. Como gostaria de mudar o mundo para que seja um lugar melhor?

Com estas perguntas você vai ter uma ideia de qual poderia ser seu propósito na vida, sua MISSÃO.

Características pessoais.

  1. O que eu sei fazer? (E não diga só “ser secretaria”. Você, com certeza sabe fazer muitas mais coisas, por exemplo: sei vender, sei planejar, sei entender o que meus clientes precisam, etc. Pense em todos os seus empregos, seus hobbies, as coisas que você faz em casa, etc.)
  2. Quais são as minhas habilidades interpessoais? (por exemplo, sei escutar, sou muito analítico, sei ler muito bem entre linhas, as pessoas se divertem comigo, as pessoas me contam seus problemas, consigo fazer amizades com facilidade, etc.)
  3. Fale com 3 pessoas de sua confiança e peça que lhe digam 3 características que destacam em você. E peça para que sejam o mais sinceras possível pois têm que ser as características mais destacadas, independentemente de serem positivas ou negativas.

E agora a pergunta chave: Por que, realmente, eu quero viver sem chefe? O que eu espero que seja diferente? O que eu espero conseguir? Qual é a minha motivação verdadeira?

Tudo isto é importante porque, agora, o que você mais precisa é entender bem qual é sua situação atual e se conhecer o melhor possível, para não cair de novo numa situação de infelicidade como a que você acabou de passar.

Depois de respondidas estas perguntas você poderá fixar objetivos e traçar um plano de ação para atingi-los.

Aproveito para dizer que se você, que está lendo isto, está numa situação similar e gostaria de ajuda para definir seu caminho, me escreva e ficarei muito feliz de lhe dar uma mão.

Comentários

2 Comentários

  1. Gisele

    Para mim o melhor de todos os posts! Parabéns!!

    Responder
  2. Gisele

    Continuo achando um texto ótimo!!
    Me sentí identificada, não por ficar desempregada involuntariamente mas por decidir tomar a decisão de deixar um emprego após a chegada de um filho.
    Por sorte, tenho um companheiro maravilhoso que me apoiou na decisão. 🙂,

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Junte-se a mais de 1.000 assinantes e receba o melhor conteúdo para investir seu tempo e seu dinheiro

Receba o checklist via e-mail

Receba o checklist via e-mail

Muito obrigado! Você receberá um email de confirmação e depois será redirecionado à página de download.

Share This