Como planejar financeiramente uma transição de carreira

10 ago 20191 Comentário

Você já foi ao circo? Já viu os trapezistas? Eles pulam de uma corda a outra e saem voando e dando voltas.

O que eles carregam? Nada. Inclusive eles levam uma roupa bem coladinha ao corpo. As pessoas acham que é por ser bonito, mas não é. Por quê, então?

Para ter mais liberdade de movimentos! E quando falamos sobre finanças, quais são os pesos que as pessoas carregam? Dívidas.

A dívida, seja imobiliaria, seja do cartão de crédito, seja de comprar uns ténis, seja do que for, é um peso enorme que lhe tira liberdade.

No momento que vem um problema financeiro, você pode parar de pagar a água, a luz, a gasolina do carro, pode até comer menos. Mas se você parar de pagar suas dívidas elas crescem e você começa a se afundar.

Então a primeira coisa que você deve fazer se está planejando fazer uma transição a uma situação de rendas incertas, é pagar todas suas dívidas e não fazer mais. Nunca mais.

Como regra geral, grave isto na sua cabeça: dívida é ruim.

Se você precisa fazer dívida para comprar algo é porque você não pode se permitir aquilo.

Mas vamos voltar aos trapezistas.

Você vê eles voando de cá para lá e pensa “são loucos. Se eles caírem, já eram”. Mas quando você olha para baixo, o que tem lá?

Uma rede! Essa é uma outra lição para quase tudo na vida:

Os saltos, sempre que for possível, com rede.

Para você fazer uma transição de carreira, onde você passa de algo mais ou menos seguro, como um salário, a algo incerto, como um negócio próprio, você precisa ter uma rede, caso alguma coisa dê errado.

Essa rede, quando estamos falando de finanças é uma reserva de emergência.

Ou seja, uma quantidade de dinheiro suficiente que lhe garanta que, durante determinado período de tempo você vai conseguir manter seu padrão de vida sem problemas e sem ter que tomar decisões dramáticas.

E seu padrão de vida se mede por quanto você gasta por mês.

Por isso é importantíssimo que, desde já, você anote cada centavo que você gasta.

E para isso não precisa de nenhum aplicativo mirabolante nem nada especial. Pode ser num caderno ou numa planilha no computador.

Então, o segundo passo é acumular uma reserva de emergência. Essa reserva de emergência se mede em meses de despesas.

Se suas despesas de um mês são 3.000 reais, seu padrão de vida é de 3.000 reais por mês.

Na minha opinião, o ideal para uma pessoa empreendedora é 1 ano de reserva. No exemplo anterior serían, 36.000 reais.

O mínimo, na minha opinião, são 6 meses de reserva, mas isso eu que sou muito conservador e não gosto de riscos.

Onde invisto uma reserva de emergência?

Precisa ser uma aplicação com liquidez diária (ou seja, que eu possa utilizar a qualquer momento) e com segurança (ou seja, que eu tenha certeza que não vou perder o que guardei).

No que se refere ao rendimento ele deve ser maior do que a inflação, para sua reserva não perder capacidade de compra.

A prioridade aqui não é rendimento alto. Se houver rendimento melhor, mas sempre garantindo liquidez e segurança.

As opções são :

  • Contas remuneradas, que rendam ao redor do 100% do CDI.
  • Títulos do tesouro com liquidez, que nesse caso seria o Tesouro SELIC, que rendem um pouquinho menos do que a taxa SELIC.
  • Um fundo de renda fixa que tenha comissões de gestão muito baixas.

Você pode dizer: eu não consigo poupar, passo o mês apertado, e viro o mês graças ao limite do cartão de crédito.

A solução para isto é muito simples: rebaixe seu padrão de vida. Gaste menos.

Falando sobre isto com um amigo ele me disse: “Ah, mas é que eu não quero rebaixar meu padrão de vida, porque para mim é importante ter uma boa qualidade de vida.”

Então eu contei a ele a seguinte história:

Era uma vez um indivíduo no caribe, flutuando de braços abertos no meio do mar azul, deitado numa cadeira inchável, dessas em que você pode até encaixar uma caipirinha.

O solzão brilhava no céu enquanto ele, de óculos de sol e sorriso no rosto, segurava sua caipirinha na mão

De repente, na praia, o salva-vidas pegou o megafone e avisou: “Tubarões! Todo mundo saia fora d’água”

O indivíduo, com a caipirinha na mão, levantou a cabeça e disse: “é que aqui eu tenho qualidade de vida”.

Lendo esta história você enxerga o risco que o protagonista da história estava correndo, e que provavelmente ele seria logo comido pelos tubarões.

Mas no dia a dia, com nossas finanças, é muito difícil enxergar isso. Inclusive para gente normalmente disciplinada.

O motivo é que o ser humano tende a subestimar suas necessidades futuras.

Não estamos programados para pensar no longo prazo. Somos péssimos estimando o futuro. Achamos que o futuro estará garantido, embora não saibamos bem como.

E isso está longe de ser verdade.

Problemas acontecem. Com muita frequência. Então, enquanto você tem saúde e um emprego, com um salário de 10, escolha sacrificar um nível de vida de 10 hoje e ter um nível de vida de 6.

Porque se o emprego faltar, ou você ficar doente, ou tiver um acidente que o impeça de gerar renda, seu nível de vida irá para 1. E acredito que você não quer que isso aconteça.

Mas há um motivo ainda melhor para poupar: para quem tem a disciplina de poupar e ter um nível de vida abaixo daquele que poderia se permitir, o tempo é seu amigo.

Porque esse dinheiro poupado pode crescer enquanto você trabalha, e algum dia vai lhe permitir ter um nível de vida de 10 sem se preocupar, ou manter um nível de vida de 6 sem trabalhar e sem se preocupar.

Para isso, o passo 3, depois de pagar todas suas dívidas e acumular uma reserva de emergência é começar a investir para o futuro.

E no que investir para o futuro?

Dependerá do momento de vida em que você está, do momento do ciclo econômico e do horizonte temporal em que você vai querer realizar seus planos.

Mas como regra geral, para planos abaixo de 5 ou 6 anos, é adequado investir em algo previsível. E o previsível é, por definição, a renda fixa.

Para planos com horizonte temporal acima de 6 anos, minha sugestão é que você invista em renda variável sempre. Ou seja, ações.

Porque a longo prazo ações são o investimento mais seguro e com maior retorno que você vai achar.

Comentários

1 Comentário

  1. Kely Coutinho

    Adorei Pablo. Com essas informações fica muito mais fácil pensar em um planejamento mais assertivo na hora de fazer uma transição de carreira.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Junte-se a mais de 1.000 assinantes e receba o melhor conteúdo para investir seu tempo e seu dinheiro

Receba o checklist via e-mail

Receba o checklist via e-mail

Muito obrigado! Você receberá um email de confirmação e depois será redirecionado à página de download.

Share This